domingo, 11 de abril de 2010

Ilusão.

Estou preso. E a culpa é tua, toda tua! Tu prendeste-me em algo que acabou sem sequer ter começado. Rasgaste-me a pele ao ponto de eu sentir esse gume, esse frio e terrível gume encostado na carne. E eu tento sair, eu tento quebrar estas correntes que não me deixam sequer mexer. Eu tento e não consigo. Larga-me, vil monstro do fogo! Sai de dentro de mim! Não quero sentir mais as tuas escaldantes escamas nos meus ossos.
Como é possível esta consumidora ilusão me ter parecido tão real? "Talvez tu quisesses que o fosse." Tudo o que quero é que pares de me consumir as entranhas, maldito! Mas não, tu não páras, tu não queres parar. E eu continuo a querer o impossível, continuo à procura de algo que sei que não existe. E, no fim, acabo por morrer. Em ti.

5 comentários:

T disse...

Folgo em ver que não desapareceste.

manuel caramelo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Molly disse...

senhor manel, isto está soberbo =O
senti como se fosse eu.

Cristina disse...

A descrição dos teus textos é muito boa. Isso permite a quem o lê situar-se, sem problemas, tão bem nesse momento e senti-lo. Nem toda a gente tem a capacidade de o fazer tão bem. Parabéns!

Laura "Bouche" disse...

Ai, que isso passava com uma mamada :-)